sexta-feira, 6 de abril de 2018

Não me inveje, trabalhe.

Estou viajando e ando sem  tempo para postagens. Em maio, estarei de volta.

É sempre bom sair do Rio. Esta cidade já era. Pelo menos o Cabral foi preso. O Brasil também está péssimo, pelo menos o Lula vai ser preso. Alguns dos que deixaram o Rio e o Brasil nesse estado lamentável vão pagar pelo que fizeram e isto é muito bom.



Mas a crise econômica, de saúde, de segurança, de moral, ou seja, a crise total do Rio de Janeiro, castiga justamente quem contribuiu para que toda esta desgraça acontecesse: o próprio povo do Rio de Janeiro, nos mesmos.

O Rio de Janeiro está este horror por causa de décadas de vereadores, deputados, prefeitos e governadores corruptos. E quem foi que colocou esses marginais no poder? O povo do Rio de Janeiro. Então temos que sofrer as consequencias, é justo.



O problema é que a gente não aprende a lição. Daqui a pouco vamos eleger outro bispo, o filho ou comparsa do Cabral, a filha ou a cúmplice da Rosinha, o filho ou o sócio do Picciani, ou um ex-jogador de futebol e atual bandido, etc, etc, etc. Parece que o povo do Rio tem vocação para otário - e olha que a gente se acha esperto e malandro...

Então a melhor coisa que quem phode  fazer é passar o máximo de tempo longe daqui. E é isto que estou fazendo agora.


Mas não me inveje, trabalhe ! Para ter grana para passear tenho que me esforçar muito e até sofrer.

Muitas vezes um cliente deixa meu cuzinho completamente arrombado e isto machuca um pouco. E as vezes o cliente demora a gozar e fico com a boca e a língua doendo de tanto chupar seu pau. E também tem as palmadas na bunda que todo cliente quer me dar. Eu até que gosto de apanhar como toda mulher normal, mas as vezes o cliente exagera e fica doendo um pouco.


Para o meu marido também não é tão fácil. Ele não se importa que eu transe com outro homem, mas tem coisas que meus clientes tarados me mandam fazer que o meu marido não gosta muito, mas tem que assistir: por exemplo, quando tenho que ser a cachorrinha de um cliente e ficar de quatro com um plug anal de rabinho sendo puxada pela coleira.

Então eu mereço curtir umas férias, com certeza.



sexta-feira, 16 de março de 2018

Meus serviços na praia: versão econômica

Se você gostaria de me contratar, mas não tem os trezentinhos para o meu cachê e muito menos dinheiro para pagar um motel, ou hotel ou o ingresso em uma boate de swing, aqui está a solução de seus problemas.

Thays Facinha está em liquidação ! O patrão ficou maluco !



Na verdade, a ideia não foi de um patrão, foi de meu próprio marido, Sérgio, que é muito bom em marketing, pricncipalmente para conseguir clientes que queiram gozar na boca de sua mulherzinha.

Considerando a falência do turismo na cidade do Rio de Janeiro, a gente tem que pensar em novas formas de atender clientes por um preço menor. É isto que vou contar aqui: como você pode contratar uma versão limitada de meus serviços muito mais barata.



O negócio é o seguinte: você me manda um e-mail (thaysfacinha@gmail.com -  a propósito, só uso este e-mail, qualquer outro é golpe) dizendo que gostaria de agendar meu serviço econômico, que o Sergio aliás, já batizou de "Thays Facinha Express". Continua sendo necessário mandar também uma foto de rosto para provar que você é bonitinho e gostosinho.

Se eu demorar um pouco para responder, paciência, aguarde. Quando estou viajando, as vezes esqueço de olhar e-mails, já que não vou poder mesmo atendê-los na hora.


O Thays Facinha Express custa só R$ 100,00  e mais nada. Não há diária de motéis nem ingressos, nem qualquer outro adicional. É uma pechincha !

A duração é de apenas uma hora e pouco, o que inclui exibicionismo e um boquete, mas com direito de encher minha boca de porra. Então vale a pena !



E como é que funciona ?

A gente combina dia e horário, em um dia de sol, e se encontra na praia, de preferência na praia da Reserva, que é mais tranquila.



O cliente pode estar de calção e aí a gente vai para a areia, mas também podemos nos encontrar em um quiosque.

De qualquer maneira, vou usar um biquini como o destas fotos, ou então um menorzinho ainda. Tenho uma imensa coleção de biquinis de vadia.



Aí, eu ficamos cerca de uma hora na praia, eu, meu marido e o cliente. Fico fazendo poses, para  deixar o cliente com pau bem duro. Só tem que tomar cuidado para não gozar logo.

Se meu marido autorizar, também posso colocar o biquini de ladinho e mostrar minha bocetinha e meu cuzinho para o cliente.


Depois de uma hora desta sacanagem, vamos para o meu carro, no estacionamento, que tem no vidro uma película bem escura, não dá para ver nada dentro. Aí, entramos o cliente e eu no banco de trás e faço um super boquete no cliente até ele gozar na minha boca.

O meu marido fica do lado de fora, tomando conta para ninguem perturbar enquanto sua mulherzinha chupa o pau do cliente até ficar com a minha boquinha cheia de porra. Meu marido  é bem legal por ficar vigiando enquanto estou mamando o pau de outro homem!!!














segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Meus serviços em uma boate de swing

Na postagem anterior, contei que também posso atender em uma boate de swing, além de hoteis e moteis. É um bom negócio para o cliente que curte comer a mulher dos outros na frente de todo mundo.

Acontece que raramente vou a boates de swing aqui no Rio, porque elas não são legais. A 2a2 só tem solteiros na quinta e costuma ficar meio vazia neste dia. A Vogue é legal, mas só tem patotinhas de garotada. As outras duas são muito ruins: a Mistura Certa tem um público meio estranho e fica em um local mais estranho ainda e a Club Mix é um horror: som altíssimo e distorcido com música nordestina.


Então para garantir que vai me pegar em uma boate de swing, só combinando antes e me contratando, como expliquei na postagem anterior. Só assim o cliente pode ter certeza de que vai me encontrar na boate.

Além disto, quando sou contratada passo a estar a serviço de meu cliente por duas horas, fazendo tudo que ele quiser. É diferente de quando estou com um solteiro em uma boate de swing, pois aí quem manda sou eu, e o solteiro tem que aceitar quando digo não, cansei. Até o meu marido pode cortar o barato do solteiro: "Thays, agora chega deste cara aí, coloca a roupa e vamos beber alguma coisa." E aí deixamos o solteiro literalmente de pau na mão, coitadinho.


Por outro lado, quando combino com um cliente, aí fica tudo diferente. Ele está pagando, então tem o direito de me comer do jeito que quiser. E isto inclui desde ficar passando a mão na minha bunda enquano estamos conversando no bar até me mandar ficar ajoelhadinha nuazinha com a boca bem abertinha pronta para receber a porra quentinha dele na frente de todo mundo na sala coletiva.

Além disto, o cliente tem o direito de fazer umas brincadeirinhas adicionais que só podem ser feitas em uma boate de swing. Por exemplo, uma vez um cliente me mandou mostrar a bunda para outros solteiros, no meio da boate. Qualquer um que olhasse para mim, em qualquer lugar da boate, o cliente me dizia: "Thays, levanta a sainha e mostra para aquele cara ali a sua bundinha que eu vou comer daqui a pouco!"  Malvadinho, não é mesmo ?



Costumo fazer um strip-tease no meio do salão e depois, nuazinha faço um lap-dance sentando no colo do cliente. Também fico dançando nuazinha com o cliente na pista de dança, para todo mundo saber que sou uma vadia e que vou dar para ele depois.

Sei que maridos mais conservadores não gostariam de assistir sua esposa nuazinha e de salto alto dançando e se esfregando em outro homem na pista da boate, na frente de todos. Mas o meu marido  comprende que eu tenho que agradar ao cliente, afinal ele está me pagando e tem todo o direito de usar e abusar de mim.


Ficar me exibindo pela boate tem a vantagem de deixar um monte de solteiros me seguindo, e aí aparece mais gente para ver o cliente comer minha bunda na sala coletiva. Gosto muito de ter bastante público enquanto estou sendo enrabada. Acho que toda mulher normal curte quando tem um monte de gente assistindo ela dar a bunda.


E os clientes também adoram ! Um deles uma vez me disse: "Comer a mulher dos outros já é bom, comer a mulher do outro na frente do marido é melhor ainda e comer a mulher do outro na frente do marido e com a galera toda assistindo, então não tem preço."






O meu marido já aceitou que uma multidão fique assistindo sua mulherzinha  nuazinha de quatro com arrebitar a bunda e pedir para outro homem comer o cuzinho dela.

O meu marido sabe que só faço isto porque sou uma puta e compromisso profissianal é coisa séria.





quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Quer me comer ? Pode ser um uma boate de swing...



Quer comer minha bunda ? É só pagar e você pode comer o meu cuzinho à vontade. Sou Facinha assim.

Sou casada, mas o meu marido não se importa que eu seja uma puta ou até mesmo que eu seja uma escrava, uma atriz pornô ou uma cadelinha para outros homens. Ele até gosta de ver a minha carinha de alegria e tesão enquanto estou sendo enrabada por outro homem.



Para combinar qualquer coisa, a única forma é através de meu e-mail thaysfacinha@gmail.com  Atenção, jamais uso outro e-mail além deste. Moro no Rio, em Copacabana, mas costumo viajar bastante.

Minhas condições: o cliente tem que ser bonitinho (vai precisar mandar uma foto antes), tem que pagar trezentinhos em dinheiro e mais o custo do quarto, é claro. Em troca, o cliente se torna o dono de minha bunda, de minha bocetinha e de minha boca, podendo fazer o que quiser, tipo "all you can eat". O meu marido não participa, mas sempre está presente assistindo sua esposinha se prostituir.



Em geral atendo em motéis, mas também pode ser em um hotel, como expliquei em postagens anteriores. Também posso atender em uma boate swing e aí funciona assim: a gente marca o local, dia e hora e se encontra lá. O cliente só tem que pagar meu cachê de trezentinhos, sua própria entrada e a a entrada de meu marido e eu, como casal (não costuma ser muito caro). O cliente então terá direito a duas horas comigo, com exclusividade.

As cabines de boates de swing costumam ser desconfortáveis, mas em compensação há algumas brincadeiras que só podem ser feitas em uma boate, se o cliente curtir exibicionismo.  Além disto, o clima de putaria geral deixa a coisa mais gostosa.




A primeira brincadeira: no meio da pista de dança da boate, fico dançando e me esfreganado toda no cliente, como se fora uma cachorrinha no cio. Aí, enquanto faço isto, o cliente começa a tirar minha roupa, devagarzinho, até me deixar nuazinha na frente de todo mundo na boate.

O cliente continua vestido, mas ele não pode ser tímido, pois vou estar dançando nuazinha de salto alto junto dele no meio da boate. Adoro ficar nua rebolando e me oferecendo na frente de todo mundo. O meu marido é que tem que aguentar ver sua mulherzinha peladinha arrebitando e esfregando a bunda em outro homem, para todo mundo saber que estou prontinha para dar.


A segunda brincadeira: em um quarto coletivo, fico de quatro no sofá e peço para o cliente comer meu cuzinho, na frente de todo mundo. Muitos clientes adoram fazer isto: enrabar uma esposinha na frente não só do marido, mas também de um monte de gente, para que a galera toda veja como uma mulhar casada fica feliz quando se transforma em uma vagabunda que faz anal.

O meu marido, além de me ver se enrabada por outro homem na frente de todo mundo, tem que me ouvir gemer e ficar dizendo bem alto: "ai, amor, ele está comendo meu cuzinho e estou ficando arrombadinha, estou ficando arrombadinha..."
 

A brincadeira final que só dá para fazer em uma boate de swing é assim: na sala coletiva com bastante gente assistindo, nuazinha de joelhos na frente do cliente, abro bem a boca, enquanto o cliente se masturba até gozar. Todo o cliente adora esporrar na boca de uma mulher na frente do marido dela, com um monte de gente assistindo a cena.

O meu marido não fica com ciúmes porque fico olhando apaixonadamente para ele enquanto o cliente enche a minha boca de porra. O meu marido sabe que deixo outro homem esporrar na minha boca só pelo dinheiro e pelo tesão, não é por amor.





domingo, 28 de janeiro de 2018

Meus Serviços: Locais Especiais: Hotel - oitava parte


Sou muito exibicionisma e quando aparece um cliente que também seja assim, aí a gente faz a festa.
 
É bem divertido deixar a janela do quarto do hotel sem cortinas, para que as pessoas dos prédios em volta possam ver o cliente me comendo.




Tem cliente que curte que eu fique nuazinha de joelhos chupando o pau dele enquanto o meu marido assiste a cena e que acha que fica melhor ainda quando mais gente pode ter a chance de assistir ao show.

É comum aparecer alguem nas janelas próximas e ficar olhando para a gente e quando isto acontece, aí é que eu capricho mais ainda.



 Como já disse, o único problema é que meu marido as vezes fica um pouco preocupado quando sabe que tem gente na vizinhança assistindo sua esposinha nuazinha engolindo o pau de um cliente.

Ainda mais porque eu fico o tempo todo olhando para o vizinho indiscreto, para ver se ele está curtindo.
 

 Como já contei várias vezes, o meu marido não se incomoda que outro homem coma meu cuzinho a vontade, se tiver pago para isto.

Quando ele se casou comigo, já sabia que eu era uma putinha e que dar minha bunda para quem me pagasse faria parte do meu dia a dia.


A novidade para o meu marido foi aceitar que a vizinhança possa assistir sua mulherzinha sendo enrabada por outro homem. 

Mas, no fundo, além de ser mais gostoso, isto não tem nada demais. Olha quem quiser.



E por falar em olha quem quiser, resolvi que neste mês de fevereiro, que é de carnaval, vou usar o biquininho destas fotos quando estive nos quiosques da Barra.

Afinal de contas, este biquini é uma gracinha e tenho mais que usá-lo. Olha quem quiser. O meu marido até já concordou.


 E mais ainda: se eu notar que algum homem simpático me apreciando, vou até jogar um charminho, fazendo umas poses.

Afinal, sempre pode ser um futuro cliente que queira me dar umas boas palmadas na minha bunda.





quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Meus Serviços: Locais Especiais: Hotel - sétima parte

Continuando, mesmo que um hotel convencional não tenha todos os recursos para uma boa sacanagem comparado com um motel ou outros lugares, com um pouco de imaginação a gente pode aproveitar bastante.

Nas postagem anteriores desta série, contei aqui e também aqui, e ainda aqui sobre a brincadeira da piscina: fico quase peladinha na piscina desfilando para dar tesão no cliente.



 Em outras postagens, falei aquitambém aquiainda continuei aqui sobre a brincadeira da varanda: o cliente tem o direito de me colocar nuazinha na varanda do quarto do hotel até aparecer admiradores em outros prédios.


Mas e se o quarto não tiver uma varanda e se o hotel não tiver piscina ? Mesmo assim ainda tem uma brincadeira bem divertida, que vou contar nesta postagem e na seguinte.




Em um hotel sem piscina e sem varanda, mas que pelo menos tenha um janelão e de preferência que seja bem devassado como a maioria dos hotéis no Rio e em especial em Copacabana, o cliente pode  me comer com a janela aberta, sem cortina, para todo mundo ver.

Claro que tem cliente que é tímido e não topa isto, mas em geral os meus clientes acham esta brincadeira muito excitante. Eu mesma, adoro fazer sexo sabendo que outras pessoas podem estar olhando.



O meu marido é que não gostava muito de ver outro homem comendo o cuzinho de sua mulher na frente de toda a vizinhança, mas com o tempo acostumou.

E a propósito: neste carnaval resolvi que vou repetir fantasias antigas. Esta roupinha que estou usando é uma delas. Costuma fazer o maior sucesso em baile de carnaval em boate swing, então por que não a usar ?





quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Meus Serviços: Locais Especiais: Hotel - sexta parte


Um frequentador deste blog me enviou um e-mail (é só escrever para thaysfacinha@gmail.com) perguntando se meu marido não se importava do cliente me mandar ficar nuazinha na varanda do quarto do hotel, me exibindo para todo mundo.

Deve ser um frequentador recém chegado nest blog, é claro. Mas talvez outros também estejam curiosos sobre o assunto. Até mesmo alguns clientes se espantam e dizem: "O seu marido não vai se importar se eu mandar você ficar na varanda nuazinha ?

 
Na verdade, imagino que não seja fácil um marido aceitar que sua mulher mostre a bunda em público só porque outro homem mandou.

Além disto, alguns cliente até tripudiam dizendo coisas assim para o meu marido: "Olha só como  sua  mulher gosta de ficar nua na varanda, como ela é puta !"  Ou então para mim: "Thays agora arrebita a bunda para  vizinhança entender que você gosta de dar o cuzinho."




O Sergio aceita, pois tem anos de prática e sabe que está casado com uma Facinha, tanto que ele até fotografa.

Além disto, o Sergio sabe que depois o cliente vai escolher à vontade se enfia o pau na minha boquinha ou no meu cuzinho, e se goza em uma ou no outro, então para que se importa com preliminares ?


Então, o cliente pode ficar tranquilo para me deixar de castigo nuazinha na varanda do quarto do hotel, o quanto quiser.

Até que resolva fazer outras coisas melhores.