quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Quer me comer ? Pode ser um uma boate de swing...



Quer comer minha bunda ? É só pagar e você pode comer o meu cuzinho à vontade. Sou Facinha assim.

Sou casada, mas o meu marido não se importa que eu seja uma puta ou até mesmo que eu seja uma escrava, uma atriz pornô ou uma cadelinha para outros homens. Ele até gosta de ver a minha carinha de alegria e tesão enquanto estou sendo enrabada por outro homem.



Para combinar qualquer coisa, a única forma é através de meu e-mail thaysfacinha@gmail.com  Atenção, jamais uso outro e-mail além deste. Moro no Rio, em Copacabana, mas costumo viajar bastante.

Minhas condições: o cliente tem que ser bonitinho (vai precisar mandar uma foto antes), tem que pagar trezentinhos em dinheiro e mais o custo do quarto, é claro. Em troca, o cliente se torna o dono de minha bunda, de minha bocetinha e de minha boca, podendo fazer o que quiser, tipo "all you can eat". O meu marido não participa, mas sempre está presente assistindo sua esposinha se prostituir.



Em geral atendo em motéis, mas também pode ser em um hotel, como expliquei em postagens anteriores. Também posso atender em uma boate swing e aí funciona assim: a gente marca o local, dia e hora e se encontra lá. O cliente só tem que pagar meu cachê de trezentinhos, sua própria entrada e a a entrada de meu marido e eu, como casal (não costuma ser muito caro). O cliente então terá direito a duas horas comigo, com exclusividade.

As cabines de boates de swing costumam ser desconfortáveis, mas em compensação há algumas brincadeiras que só podem ser feitas em uma boate, se o cliente curtir exibicionismo.  Além disto, o clima de putaria geral deixa a coisa mais gostosa.




A primeira brincadeira: no meio da pista de dança da boate, fico dançando e me esfreganado toda no cliente, como se fora uma cachorrinha no cio. Aí, enquanto faço isto, o cliente começa a tirar minha roupa, devagarzinho, até me deixar nuazinha na frente de todo mundo na boate.

O cliente continua vestido, mas ele não pode ser tímido, pois vou estar dançando nuazinha de salto alto junto dele no meio da boate. Adoro ficar nua rebolando e me oferecendo na frente de todo mundo. O meu marido é que tem que aguentar ver sua mulherzinha peladinha arrebitando e esfregando a bunda em outro homem, para todo mundo saber que estou prontinha para dar.


A segunda brincadeira: em um quarto coletivo, fico de quatro no sofá e peço para o cliente comer meu cuzinho, na frente de todo mundo. Muitos clientes adoram fazer isto: enrabar uma esposinha na frente não só do marido, mas também de um monte de gente, para que a galera toda veja como uma mulhar casada fica feliz quando se transforma em uma vagabunda que faz anal.

O meu marido, além de me ver se enrabada por outro homem na frente de todo mundo, tem que me ouvir gemer e ficar dizendo bem alto: "ai, amor, ele está comendo meu cuzinho e estou ficando arrombadinha, estou ficando arrombadinha..."
 

A brincadeira final que só dá para fazer em uma boate de swing é assim: na sala coletiva com bastante gente assistindo, nuazinha de joelhos na frente do cliente, abro bem a boca, enquanto o cliente se masturba até gozar. Todo o cliente adora esporrar na boca de uma mulher na frente do marido dela, com um monte de gente assistindo a cena.

O meu marido não fica com ciúmes porque fico olhando apaixonadamente para ele enquanto o cliente enche a minha boca de porra. O meu marido sabe que deixo outro homem esporrar na minha boca só pelo dinheiro e pelo tesão, não é por amor.





domingo, 28 de janeiro de 2018

Meus Serviços: Locais Especiais: Hotel - oitava parte


Sou muito exibicionisma e quando aparece um cliente que também seja assim, aí a gente faz a festa.
 
É bem divertido deixar a janela do quarto do hotel sem cortinas, para que as pessoas dos prédios em volta possam ver o cliente me comendo.




Tem cliente que curte que eu fique nuazinha de joelhos chupando o pau dele enquanto o meu marido assiste a cena e que acha que fica melhor ainda quando mais gente pode ter a chance de assistir ao show.

É comum aparecer alguem nas janelas próximas e ficar olhando para a gente e quando isto acontece, aí é que eu capricho mais ainda.



 Como já disse, o único problema é que meu marido as vezes fica um pouco preocupado quando sabe que tem gente na vizinhança assistindo sua esposinha nuazinha engolindo o pau de um cliente.

Ainda mais porque eu fico o tempo todo olhando para o vizinho indiscreto, para ver se ele está curtindo.
 

 Como já contei várias vezes, o meu marido não se incomoda que outro homem coma meu cuzinho a vontade, se tiver pago para isto.

Quando ele se casou comigo, já sabia que eu era uma putinha e que dar minha bunda para quem me pagasse faria parte do meu dia a dia.


A novidade para o meu marido foi aceitar que a vizinhança possa assistir sua mulherzinha sendo enrabada por outro homem. 

Mas, no fundo, além de ser mais gostoso, isto não tem nada demais. Olha quem quiser.



E por falar em olha quem quiser, resolvi que neste mês de fevereiro, que é de carnaval, vou usar o biquininho destas fotos quando estive nos quiosques da Barra.

Afinal de contas, este biquini é uma gracinha e tenho mais que usá-lo. Olha quem quiser. O meu marido até já concordou.


 E mais ainda: se eu notar que algum homem simpático me apreciando, vou até jogar um charminho, fazendo umas poses.

Afinal, sempre pode ser um futuro cliente que queira me dar umas boas palmadas na minha bunda.





quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Meus Serviços: Locais Especiais: Hotel - sétima parte

Continuando, mesmo que um hotel convencional não tenha todos os recursos para uma boa sacanagem comparado com um motel ou outros lugares, com um pouco de imaginação a gente pode aproveitar bastante.

Nas postagem anteriores desta série, contei aqui e também aqui, e ainda aqui sobre a brincadeira da piscina: fico quase peladinha na piscina desfilando para dar tesão no cliente.



 Em outras postagens, falei aquitambém aquiainda continuei aqui sobre a brincadeira da varanda: o cliente tem o direito de me colocar nuazinha na varanda do quarto do hotel até aparecer admiradores em outros prédios.


Mas e se o quarto não tiver uma varanda e se o hotel não tiver piscina ? Mesmo assim ainda tem uma brincadeira bem divertida, que vou contar nesta postagem e na seguinte.




Em um hotel sem piscina e sem varanda, mas que pelo menos tenha um janelão e de preferência que seja bem devassado como a maioria dos hotéis no Rio e em especial em Copacabana, o cliente pode  me comer com a janela aberta, sem cortina, para todo mundo ver.

Claro que tem cliente que é tímido e não topa isto, mas em geral os meus clientes acham esta brincadeira muito excitante. Eu mesma, adoro fazer sexo sabendo que outras pessoas podem estar olhando.



O meu marido é que não gostava muito de ver outro homem comendo o cuzinho de sua mulher na frente de toda a vizinhança, mas com o tempo acostumou.

E a propósito: neste carnaval resolvi que vou repetir fantasias antigas. Esta roupinha que estou usando é uma delas. Costuma fazer o maior sucesso em baile de carnaval em boate swing, então por que não a usar ?





quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Meus Serviços: Locais Especiais: Hotel - sexta parte


Um frequentador deste blog me enviou um e-mail (é só escrever para thaysfacinha@gmail.com) perguntando se meu marido não se importava do cliente me mandar ficar nuazinha na varanda do quarto do hotel, me exibindo para todo mundo.

Deve ser um frequentador recém chegado nest blog, é claro. Mas talvez outros também estejam curiosos sobre o assunto. Até mesmo alguns clientes se espantam e dizem: "O seu marido não vai se importar se eu mandar você ficar na varanda nuazinha ?

 
Na verdade, imagino que não seja fácil um marido aceitar que sua mulher mostre a bunda em público só porque outro homem mandou.

Além disto, alguns cliente até tripudiam dizendo coisas assim para o meu marido: "Olha só como  sua  mulher gosta de ficar nua na varanda, como ela é puta !"  Ou então para mim: "Thays agora arrebita a bunda para  vizinhança entender que você gosta de dar o cuzinho."




O Sergio aceita, pois tem anos de prática e sabe que está casado com uma Facinha, tanto que ele até fotografa.

Além disto, o Sergio sabe que depois o cliente vai escolher à vontade se enfia o pau na minha boquinha ou no meu cuzinho, e se goza em uma ou no outro, então para que se importa com preliminares ?


Então, o cliente pode ficar tranquilo para me deixar de castigo nuazinha na varanda do quarto do hotel, o quanto quiser.

Até que resolva fazer outras coisas melhores.





sábado, 6 de janeiro de 2018

Meus Serviços: Locais Especiais: Hotel - quinta parte


Ficar nua quase nua na varanda do quarto do hotel é uma forma de agradar a clientela que nunca falha. Todo cliente adora mandar a puta que ele vai comer mostrar a bunda para o mundo.

E este agrado já está incluído no preço de meus serviços, que nem é caro: trezentinhos (para gringos:  cem dolares)



Eu não me canso de dizer: ficar nua na varanda para mim é um prazer !

Aliás, aconselho toda mulher a fazer o mesmo. Dá muito tesão, além de deixar esta cidade mais bonita. E o Rio de Janeiro precisa de toda a ajuda que puder, antes que o Crivella deixe nossa cidade parecida com um desses templos bregas da universal.




Além de tudo, se exibir peladinha na varanda acende o lado puta que existe em toda mulher.

Isto é bom, até para mim que já sou uma profissional (ainda que não full time). Imagina como faz bem para putas amadoras !


Quando algum rapaz na vizinhança descobre que estou vestida assim, é uma delícia tanto para ele como para mim.

E é uma delícia para o cliente também, porque quando eu voltar para o quarto e começar os serviços para valer, já vou estar bem acesinha e molhadinha.




quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Meus Serviços: Locais Especiais: Hotel - quarta parte


Como estava contando, pode ser muito divertido atender clientes em um hotel convencional, em vez de um motel. Além de desfilar seminua na piscina, uma outra brincadeira que posso fazer é me exibir  na varanda. É assim: o cliente manda que eu fique de bunda de fora na varanda do quarto do hotel, até que apareça algum admirador.  Então tenho que ficar lá quietinha e peladinha até aparecer um monte de vizinhos tarados. Os clientes que me mandam fazer isto foram inspirados por uma postagem que fiz ensinando a ser puta.


O cliente e o meu marido não ficam comigo, ou seja, tenho que ficar lá sozinha na varanda do quarto de hotel enquanto os dois ficam no quarto me apreciando e conversando. Em geral uso um bikini que me deixa quase nuazinha, mas às vezes fico nuazinha mesmo. É mais legal quando o hotel fica em um lugar com muitos prédios por perto, para ficar mais fácil que apareçam vizinhos voyeurs.




Costumo ir para varanda assim logo no início de meus serviços, para deixar o cliente mais excitado. Também posso fazer isto no meio da brincadeira, quando o cliente quer parar um pouco de me comer para descansar, mas sem perder o tesão. Então a qualquer momento, o cliente, se quiser, pode dizer: "Thays, agora você vai para a varanda do quarto mostrar a sua bunda para o mundo..."

E eu obedeço direitinho, afinal:
1) O cliente está me pagando e tem o direito de me mandar fazer o que ele quiser
2) Eu adoro mostrar minha bunda em público
3) Até hoje, ninguém da vizinhança reclamou.




Esta brincadeira de desfilar na varanda é legal para todo mundo: É legal para os tarados da vizinhança, porque com certeza todos ficam felizes quando olham pela janela e vêem uma mulher seminua na varanda de outro prédio. Muitos começam a se masturbar na horinha mesmo.

É legal para mim, que já adoro mostrar minha bunda em público, para todo mundo ver, imagina com alguém pagando !



É legal para os clientes, pois todos curtem mandar a mulher de outro homem ficar se oferecendo de bunda de fora na varanda. Uma vez, um cliente até disse para o meu marido: "mandei sua mulher ficar nuazinha na varanda para ela saber bem que é uma piranha." Não é educativo ?

É legal para o meu marido, porque enquanto estou na varanda, não estou sendo enrabada pelo cliente e assim ele não precisa me ouvir pedindo para o cliente enfiar o pau bem no fundo de meu cuzinho, o que às vezes deixa o meu marido um pouco estressado.




segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Meus Serviços: Locais Especiais: Hotel - terceira parte


Como estava contando nas postagens anteriores, um hotel convencional pode parecer, à primeira vista, meio sem graça como cenário para meus serviços de puta & piranha. Mas, com um pouco de criatividade, o hotel - que tem que ser bacana, é claro - pode oferecer espaço para várias brincadeiras.

A gente pode, por exemplo, ampliar o público: em vez de ser apenas meu marido me assistindo a ser enrabada, mais pessoas também podem ter a chance de ver que ao mesmo tempo que sou uma mulher casada e honesta sou também uma vadia e vagabunda.



Uma dessas brincadeiras é aproveitar os intervalos do sexo para ficar um pouco na piscina do hotel. Vou usar um micro fio dental mínimo como nessas fotos e ficar me exibindo para o cliente, meu marido e todos os outros homens que tiverem a sorte de estar por lá.

Além da piscina, também dá para brincar na varanda do quarto e no próprio quarto, se ele tiver janelas bem grandes que a gente possa deixar abertas e sem cortinas para toda a vizinhança assistir eu dar a bunda. Mas isto eu conto em próximas postagens.




O único problema dessas brincadeiras é que os meus clientes costumam ser muito tarados, sempre inventando uma coisa a mais. Pessoalmente não me importo, ao contrário, encaro os desejos pervertidos de meus clientes como um desafio à minha capacidade de ser facinha, isto é, putinha.

Adoro desafios assim e costumo me dar bem, isto é, costumo dar bem.



O meu marido, por outro lado, é que as vezes não aceita bem que eu procure superar tais desafios profissionais. Não que meu marido seja careta, quadrado, repressor, ao contrário: ele é super avançado e sempre me estimulou a ser uma putinha casada. O meu marido é tão legal que faz coisas que poucos outros fazem, como, por exemplo, segurar e abrir bem a minha bunda deixando meu cuzinho arreganhado para outro homem enfiar o pau até o talo, de uma vez só.

Meu marido é tão bonzinho !




O que acontece é que os meus clientes são muito criativos e meu marido tem dificuldade de acompanhar as novas tecnologias. Por exemplo, enquanto contava aqui no blog o lance da piscina do hotel, apareceu um leitor sugerindo que além do fio dental, eu também usasse um plug anal - que tinha que ser pequeno e discreto, é claro - enquanto estivesse desfilando na piscina.

Por mim tudo bem, adoro usar plug anal, mas acho que isto pode ser demais para a liberalidade de meu marido. Depois de me assistir dando a bunda para o cliente até ele gozar, ainda vai ter que ver sua esposinha desfilando na piscina de um hotel de fio dental, sabendo que estou com um plug anal enfiadinho no meu cuzinho.



Outra sacanagem criativa sugerida seria ir do quarto para a piscina já de fio dental bem pequenininho, sem canga, sem roupão e mais nada por cima, usando uma sandalinha aberta de salto alto. Então eu teria que andar pelo hotel passando pelos corredores, elevador e todas as partes desde o quarto até a piscina assim quase nuazinha.

Eu iria curtir muito isto, adoro me exibir, mas imagina só o que os outros hóspedes não iriam pensar de mim ? Meu marido e eu já estamos acostumados a que as pessoas pensem que sou uma putinha, só que eu estaria também acompanhada do cliente, que teria acabado de fazer uma festa no meu cuzinho. Isto me faria parecer mais puta ainda, se possível.




Aliás, uma vez um cliente fez questão que eu bancasse a puta (que na verdade sou) na piscina do hotel. A piscina estava vazia, e tinha só gringo  tomando sol. O cliente me mandou ir para perto do gringo e ficar fazendo poses exibindo a bundinha, provocando o rapaz. 

O cliente e meu marido então ficaram no canto oposto da piscina só apreciando a cena de longe. O meu marido, além de me ver praticamente nua me oferecendo para outro homem na piscina, ainda tinha que aguentar o papo do cliente que falava coisas tipo: "Sua esposa é mesmo muito piranha...", "Olha só como a Thays arrebita a bunda e se oferece que nem uma vadia...", "Vou comer o cuzinho de sua mulher para ela aprender a se comportar melhor na frente de turistas..." E porraí vai.




Uma outra coisa que já aconteceu foi um cliente esporrar na minha bunda e não me deixar limpar, mas me mandar ir para a piscina de fio dental, com a bunda assim mesmo, cheia de porra. Então eu tinha que ficar desfilando na piscina com a bunda toda de fora e toda esporrada.
 
Eu ainda falei com o meu marido: "Ai amor, que vergonha, estou sentindo a porra dele ainda escorrendo pelo meu cuzinho...." Mas não teve jeito. A gente tem que ser muito profissional para aceitar cumprir os desejos desses clientes tarados.



A situação em que senti mais vergonha foi com um outro cliente aqui do Rio mesmo que é taradíssimo e sempre me chama de piranha, mas com todo o respeito.

Aquele cliente ficou me enrabando durante muito tempo, com o meu marido assistindo toda a cena, até deixar o meu cuzinho totalmente arrombado, o que ele fez questão de mostrar para o meu marido: "Olha só como arrombei o cu da piranha da sua mulher!". 


O cliente então me mandou ficar de joelhos com a boca bem aberta e a encheu com muita, muita porra. Mas ele não me deixou nem engolir nem cuspir, tive que ficar com toda a porra na boca mesmo. E ele ainda me mandou mostrar para o meu marido: "Olha quanta porra eu coloquei dentro da boca da piranha da sua mulher!

E ele então continuou abusando de mim, me colocou de bunda para cima em seu colo e começou a me dar palmadas. A cada palmada na bunda eu gemia. Aí ele falou para o meu marido: "Tá ouvindo como a piranha de sua mulher geme gostoso quando está apanhando com a boca cheia de porra?"


Depois de levar muitas palmadas, o cliente me mandou colocar o fio dental e ir para a piscina, com a bunda toda vermelha. Fiquei com muita vergonha e reclamei mas ninguem entendeu nada, porque é difícil falar com a boca cheia de porra.

Para terminar, o cliente ainda exigiu que eu ficasse mostrando para ele e para o meu marido, alternadamente, minha bunda vermelha das palmadas e minha boca cheia de porra. Aceitei fazer isto, só porque sou uma profissional séria e não uma amadora.